segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O Mendigo e o Professor


A insegurança é transparente

O mendigo pede. Pede dinheiro, comida, bebida, cigarro. Nada oferece em troca, a não ser um eventual "Deus lhe pague."

O professor de instituição pública pede. Pede dinheiro, dignidade e mais dinheiro. Nada oferece em troca, a não ser a perpetuação de um péssimo sistema educacional.

O mendigo se torna violento contra outros mendigos. O objetivo é defender a exclusividade de seu território de mendicância e de repouso. 

O professor de instituição pública sabota o trabalho de colegas. O objetivo é impedir que seu trabalho medíocre seja evidenciado pela competência do outro. Defesa territorial.

O mendigo evita confronto com quem não é mendigo. Se não é mendigo, é socialmente superior. Dá medo. 

O professor de instituição pública evita confronto com quem não é professor, a não ser que seja aluno. Dá medo.

Quando o mendigo é encaminhado para um Pronto Socorro, ele recusa tratamento. Precisa da doença e dos machucados para despertar pena na sociedade. Assim consegue mais sucesso em sua mendicância.

Quando o professor de instituição pública se vê diante de um projeto real de meritocracia, ele recusa. Não quer trabalhar para crescer. Precisa da doença da incompetência para despertar pena na sociedade. Assim consegue mais sucesso em sua mendicância coletiva, conhecida como greve.

Mendigos são alvos de extrema violência. Frequentemente são consumidos por chamas. Autoridades pintam os muros que um dia foram evidência de brutal assassinato, para ocultar a fuligem.

Professores de instituições públicas eventualmente são alvos de violência extrema. Mulheres são estupradas. Homens já foram assassinados. Autoridades abrem mais vagas para docentes.

Há campanhas para que não se dê esmolas ao mendigo.

Há campanhas por uma educação de qualidade.

A mendicância persiste.

A falta de educação também.

3 comentários:

  1. Olá, professor Adonai!!!!

    Que coincidência!!!! Ontem, ouvi uma denúncia de sabotagem a um trabalho de ensino/aprendizagem de karatê, que um irmão meu (professor de karatê) está desenvolvendo ( mostra-se ser muito correto e eficaz, o que é comprovado pelo número dos ótimos desempenhos obtidos por parte dos seus alunos) e... perturbando aos seus colegas, também professores dessa arte de luta marcial, devido não querer... fazer de conta que ensina; procurar outras fontes de informações que não sejam as dos seus "mestres"; usar o "pulo-de-gato" com os seus alunos: não reclamar e/ou denunciar sobre prática ( na maioria, de forma... intencional) de ensino deficiente existente atualmente; procurar inovar e... teimar em usar a honestidade profissional!!!!
    Coitado do mano!!!! Já começa a sofrer a ação de "patrulhamento" sobre o que pensa, diz e/ou faz na sua profissão e... note-se, que ele não é professor do ensino institucional!!!!
    Parabéns, pela ótima postagem/denúncia aqui presente e a qual eu conclamo aos meus leitores que... Por favor!!!! Leiam e reflitam!!!! Obrigado!!!!!

    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Francisco

      Infelizmente não acredito em coincidências. Essa denúncia que você ouviu faz parte do dia-a-dia de muita gente.

      Excluir
  2. Por vezes os professores não sabotam apenas o trabalho dos colegas, mas, de alunos também! Sem falar nas ofensas e xingamentos direcionados aos alunos!

    ResponderExcluir

Respostas a comentários dirigidos ao Administrador demoram usualmente até três dias.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.