sábado, 4 de abril de 2015

A geração do começo sem fim



Fala-se muito, hoje em dia, sobre técnicas de ensino, em formas para professores se comunicarem melhor com os seus alunos. No entanto, não parece haver preocupação com técnicas de audição, de leitura, de observação. A verdade é que cada vez mais pessoas querem ser ouvidas, sem terem a habilidade de ouvir. 

A indústria fonográfica, por exemplo, já compreendeu há muito tempo que a capacidade de concentração média dos jovens está caindo e é hoje inferior a de peixes. Por conta disso que as músicas populares de sucesso estão perdendo qualidade, justamente para acompanhar a capacidade cognitiva do público. 

Enquanto isso, pedagogos e educadores em geral procuram desesperadamente conseguir a atenção de jovens que, a cada dia, perdem a capacidade de ouvir, ler ou observar. 

Por conta deste perturbador fenômeno social, convidei Alan Carlos Ghedini para escrever uma postagem neste blog. Ghedini foi aluno meu no Curso de Física da Universidade Federal do Paraná. Hoje ele é historiador, graduado pela Universidade do Estado de Santa Catarina, e professor. É também um dos responsáveis pelo site Inventando História

Em postagem a ser publicada até setembro deste ano, pretendo discutir sobre uma proposta concreta para combater pelo menos parte dos problemas da atual realidade educacional em nosso país. Enquanto isso não acontece, peço ao leitor que acompanhe (até o fim, é claro) o texto abaixo de Ghedini. Nele o autor fala sobre navegabilidade no universo do conhecimento. E isso me faz lembrar de um dos mais conhecidos livros de Charles Dickens, obra na qual a personagem David Copperfield questiona: "Se serei o herói de minha própria vida, ou se essa posição será ocupada por alguma outra pessoa, é o que estas páginas devem mostrar." 

Navegar na internet tem sido sinônimo da condição de um náufrago. Sem instrumentos e sem a capacidade de ler esses instrumentos, jamais sairemos dessa condição.

Desejo a todos uma leitura crítica.
_______________


No caminho do conhecimento, enredados na eterna introdução
de Alan Carlos Ghedini

Creio que não seja surpresa afirmar que as novas gerações sofrem, hoje, de um grande empobrecimento de vocabulário e, portanto, da capacidade de entender textos cuja escrita vá para além do trivial. A velocidade da internet e da hiperconexão trouxe inúmeros benefícios e, igualmente, novos e, não raro, atemorizantes desafios. Se a pressa for, de fato, inimiga da perfeição, então nos encontramos cada vez mais distantes desta última.

Como professor, tenho observado com bastante preocupação que a ampla maioria dos estudantes, sejam de instituições públicas ou particulares, de ensino fundamental, médio ou superior, tem demonstrado desconhecimento sobre o próprio idioma. E não se trata de desconhecer termos essencialmente técnicos a uma área ou coisa que o valha, mas de realmente não entender palavras que há quinze anos seriam conhecidas pelos estudantes. Enfim, se um livro é produzido para estudantes de ensino médio, poderíamos supor que fossem capazes de entender o que ali está escrito. Ledo engano!

Não, decididamente não se trata de baixa habilidade cognitiva. Longe disso, trata-se mesmo de ignorância, não como ofensa, mas no sentido de ignorar, de não conhecer o que se lê. A geração atual de estudantes de Ensino Médio e de jovens universitários é filha da Era Harry Potter, que em tempos fez todo um espectro de estudantes voltarem suas atenções à leitura, na ânsia pelo destino do jovem bruxo tema da série. Porém, o que parecia ser solução, mostrou-se apenas a lente que foi capaz de magnificar a dimensão do problema que temos em mãos.

Sinceramente não pretendo realizar alguma discussão sobre o "internetês" e suas armadilhas. Minha preocupação é que há um visível empobrecimento léxico da atual geração. Às vezes a impressão que se tem é que se lê muito, mas a questão que deve ser feita, de fato é: "lê-se o que e com que qualidade?"

A internet popularizou o texto, transformou a todos em escritores, afinal todos podemos ter e manter, gratuitamente, um blog como este em que publico. Mas se há o mérito da popularização das ideias, há o demérito da banalização destas. Todos têm opinião. No entanto, raros são aqueles que bem a fundamentam, com o relato de sua vivência ou com o uso de um arcabouço teórico adequado.

Como educador de Ensino Médio, preocupa-me de modo bastante urgente sobre o tipo de leitura que têm os estudantes. Vivemos a era da "eterna introdução", a era Wikipedia, em que o estudante vai ao dito site para ler um artigo e, ainda na introdução, uma palavra é link para outro assunto, link que é, sem demora, aberto sem que antes tenha o leitor concluído sequer o começo do texto em que estava originalmente. Não mais se compreende o que significa a base "Introdução - Desenvolvimento - Conclusão".

Pode não parecer algo sério a priori, porém o é. Já é quase comum que, em meio a uma discussão, alguns interlocutores não mostrem capacidade de organizar seus argumentos. O tal do brainstorm tem sido, essencialmente, storm, com todos os raios e trovões a que têm direito sem, contudo, qualquer sombra da esperada bonança. Como podemos, afinal, esperar coerência e boa argumentação se tudo o que temos é apenas a introdução de uma ideia, e não ela em seu pleno desenvolvimento?

Se antes tínhamos hipótese, tese, antítese e síntese, hoje estamos cada vez mais cercados da primeira e cada vez menos brindados com a última. Não se vê estudantes gerando conhecimento como poderiam, mas antes vemos nossos alunos consultando o Google - verdadeiro oráculo da contemporaneidade - buscando ali respostas prontas ao invés de argumentos que lhes permitam formar suas próprias conclusões. Temos copiado mais do que criado, e isso é temerário. O risco não é sequer de voltar, mas de simplesmente não avançar como poderíamos.

Ouso dizer que nunca na história da humanidade tivemos acesso a uma gama tão grande de conhecimento e informação. Nunca foi tão simples acessar o patrimônio cultural da humanidade e, no entanto, nesse revolto oceano de informações falta-nos a navegabilidade. Falta-nos o norte. Sentimo-nos como se estivéssemos embarcados no Santa Maria sem, contudo, a bússola ou o astrolábio, ou ainda com eles, porém sem saber como usá-los.

Minha esperança? A de que sejamos capazes de encontrar esse norte o quanto antes; de que saibamos sair da introdução e desenvolver nosso pensamento de modo crítico, reflexivo; mas não para que sejamos capazes de concluir porém, curiosamente, de iniciar algo inteligentemente. Nossa espécie tem como nome Homo sapiens sapiens, e já passamos do tempo de fazer justiça a essa dupla citação ao termo latino para sabedoria.

8 comentários:

  1. Engraçado, essa semana me deparei no trabalho pensando exatamente isso: "A geração atual de estudantes de Ensino Médio e de jovens universitários é filha da Era Harry Potter", inclua-se aí os jovens profissionais.

    ResponderExcluir
  2. Alan, você poderia elaborar um pouco o significado da afirmação:
    "o que parecia ser solução [Harry Potter], mostrou-se apenas a lente que foi capaz de magnificar a dimensão do problema"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então Stafusa, a questão que quis destacar é que apesar do fato (louvável) de que a obra Harry Potter trouxe milhões de jovens de volta à leitura, ela igualmente serviu para que víssemos, nas outras leituras desse público, como a qualidade do que se lê ou modo como se lê ainda está bastante aquém do ideal.

      Foi interessante perceber que, quando o jovem foi ler, não raro, ele simplesmente não sabia como fazê-lo.

      Excluir
  3. Acredito que há um ciclo vicioso alimentado pelo uso inadequado da tecnologia. O ciclo se evidencia pelos professores com formação péssima formando alunos despreperados advindos de famílias desestruturadas, tudo isso regado ao uso inadequado de tecnologia (neste caso, a internet). Nesse imbróglio, há a presença danosa do "estado", que alimenta esse ciclo de forma efetiva. Enfim, resta-nos a pergunta: ao quebrarmos tal ciclo, o que resta?

    ResponderExcluir
  4. Ler para quê ? O importante é ser feliz. Esquece isso de mudar a educação do mundo.Viva a vida.

    ResponderExcluir
  5. Antes, quando não havia livros, pelo menos havia outras pessoas para interagir, conversar e aprender alguma coisa. Hoje em dia, as atividades de interação social, leitura e escrita estão juntas e misturadas nas redes sociais. A internet passa uma perigosa ilusão de proximidade com tudo e com todos, quando na verdade ela é apenas um meio de transmissão e armazenamento de informações. As pessoas precisam se aproximar mais umas das outras e do mundo em que vivem, é isso que estimula nossa inteligência.

    Sebastião

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Antes, quando não havia livros, pelo menos havia outras pessoas para interagir, conversar e aprender alguma coisa."
      >>Desde quando o livro surgiu, há milhares de anos, também há pessoas para interagir etc!

      "Hoje em dia, as atividades de interação social, leitura e escrita estão juntas e misturadas nas redes sociais."
      >> **Há milhares de anos**, as atividades de interação social, leitura e escrita estão juntas e misturadas nas redes sociais (não virtuais, é claro, mas continuam sendo redes e continuam sendo sociais).

      Excluir
    2. Desculpem o comentário vago. No trecho..
      "Antes, quando não havia livros, pelo menos havia outras pessoas para interagir, conversar e aprender alguma coisa. "
      ... usei como referencia minhas experiências pessoais, não a História da humanidade.
      E quanto as redes sociais, me referia as virtuais.
      Obrigado pelas correções.

      Sebastião.

      Excluir

Respostas a comentários dirigidos ao Administrador demoram usualmente até três dias.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.