domingo, 8 de fevereiro de 2015

Crianças filósofas


Crianças são capazes de filosofar? 

Há algum tempo tenho dedicado parte do espaço deste blog para tratar de aspectos cognitivos em crianças. Um exemplo foi a postagem sobre como ensinar teoria da relatividade para um público infantil. Outro foi uma discussão sobre o efeito de elogios. E, finalmente, há também um exemplo de experiência pessoal que tive quando discuti sobre realismo com uma turma de quarta série.

Desta vez, no entanto, a meta é a discussão sobre o papel da filosofia na vida de crianças de quatro a doze anos de idade. 

A teoria do desenvolvimento cognitivo de Jean Piaget sugere que crianças com menos de onze anos são incapazes de pensar filosoficamente. Isso porque, segundo o conhecido epistemólogo suíço, crianças não conseguem pensar sobre o pensar. Porém, o mundo mudou bastante desde o pioneirismo de Piaget, apesar de nosso país evidentemente não ter percebido isso. Neste conhecido site, por exemplo, afirma-se que a teoria de Piaget comprova "que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas". Porém, filósofos como Matthew Lipman e Gareth Matthews, entre muitos outros, apresentam evidências contundentes de que Piaget ignorou importantes manifestações das próprias crianças que ele mesmo estudou. 

Piaget falhar em seu senso crítico é algo evidentemente muito ruim. Mas a persistência na realização de repetitivas experiências (como se faz em nossas terras) com o único objetivo de validar as ideias deste importante pensador já é um erro grotesco, do ponto de vista filosófico. Está mais do que na hora de pedagogos e educadores brasileiros se atualizarem em termos do que crianças podem ou não podem fazer. Assim como a física não parou com Galileu, a psicologia cognitiva já avançou para muito além de Piaget.

Neste livro, por exemplo, Gareth Matthews motiva suas teses com exemplos reais de crianças com idades entre quatro e seis anos que espontaneamente levantaram as seguintes questões:

1) "Como podemos ter certeza de que tudo na vida não passa de um sonho?"

2) "Se eu vou para a cama às oito horas e levanto às sete da manhã, como posso ter certeza de que o ponteiro das horas do relógio girou só uma vez? Eu tenho que ficar acordado a noite inteira para saber? Mesmo que eu desvie o olhar por um breve instante, talvez o ponteiro das horas gire duas vezes."

3) Em diversas ocasiões um garoto de quatro anos viu aviões decolarem e sumirem à distância em aeroportos. Um dia ele finalmente pega o seu primeiro voo. Após a decolagem e logo depois de receberem o aviso de que os cintos de segurança podem ser soltos, o garoto afirma aliviado para o seu pai: "As coisas realmente não ficam menores aqui em cima."

Apesar destes exemplos ilustrarem claramente questionamentos de caráter filosófico, eles ainda não permitem defender a tese de que crianças sejam capazes de sustentar discussões de caráter filosófico. Mas Matthews motiva suas discussões com outros exemplos muito mais sofisticados, como este:

4) Ian (de seis anos de idade) foi impedido de acompanhar seu programa de TV preferido porque três crianças - filhos de amigos de seus pais - monopolizaram o aparelho de televisão, ao chegarem. E então Ian perguntou à sua mãe: "Por que é melhor três crianças serem egoístas no lugar de apenas uma?" Essa indagação desencadeou uma extensa discussão entre todos os envolvidos, incluindo a falta de consideração das crianças visitantes, o desejo de encontrar uma solução satisfatória para todas as quatro crianças, a importância do respeito aos direitos dos outros e até mesmo como uma outra pessoa se sentiria se estivesse no lugar de Ian. 

Crianças são capazes de filosofar? Há inúmeras evidências de que a resposta seja positiva. E, claro, esta perspectiva inevitavelmente conduz a um novo questionamento: devemos estimular o estudo de filosofia no ensino básico?

Existem pelo menos dois problemas na proposta de implementação da disciplina de filosofia em escolas, tendo como público-alvo crianças entre quatro e doze anos:

I) A grade curricular de nossas escolas de ensino básico já está bastante comprometida com outras matérias.

II) O estudo de filosofia no ensino básico pode ser um fator de distração, que pode transformar os alunos em meros céticos, resistentes ao aprendizado de outros assuntos, como matemática, ciências, história e línguas.

A resposta de Lipman a esses problemas é estimulante. Sua proposta é usar uma disciplina de filosofia com o propósito de promover uma discussão que explorasse as relações existentes entre diferentes áreas do saber. Um exemplo que já foi discutido neste blog, no presente contexto, reside nas relações entre matemática e o simples contar de histórias. Outro exemplo, está na visão social de histórias infantis da literatura clássica. Desta maneira o ensino de diferentes matérias teria um caráter muito menos fragmentado, uma vez que sempre se buscaria por uma visão interdisciplinar de mundo e até mesmo uma percepção do processo educacional como um todo. 

Toda esta proposta de filosofia nas escolas teria como principal meta o estímulo ao senso crítico, algo que tem feito muita falta no Brasil. O que é senso crítico? Segundo Robert Ennis, senso crítico é o "pensamento reflexivo racional focado na decisão sobre o que acreditar ou fazer". Neste contexto, a prática do senso crítico demanda incisividade, informações qualificadas, confiabilidade de raciocínio, mente aberta, flexibilidade, avaliação justa, honestidade para encarar tendências pessoais, capacidade de reconsideração, clareza, capacidade de ordenação de assuntos complexos, diligência na busca de informações relevantes, foco e persistência. 

Já existem muitos estudos que apontam para correlações negativas entre inteligência e religiosidade, inteligência e conservadorismo político e inteligência e radicalismo político. Onde existe resistência irracional a ideias novas, inevitavelmente há um tendencioso caminho que afasta as pessoas de decisões inteligentes. E o estímulo à arte de filosofar desde cedo é um caminho de flexibilidade e contemplação. A capacidade de filosofar é inerente sim às crianças! Se em algum momento esta capacidade se perde, isso se deve a pressões sociais que ocorrem principalmente nas escolas e na unidade familiar. Castrar a capacidade de filosofar de uma criança é um ato de covarde violência, um estupro mental.

Quando se fala em filosofia no Brasil, quase que invariavelmente professores e demais educadores confundem este tema com o estudo de história da filosofia. Filosofar não é concordar com Platão, Descartes ou Russell. Filosofar é a capacidade de apontar onde os grandes pensadores erraram. Afinal, eles foram apenas pensadores e não deuses cuja ira devemos temer. 

Enquanto os expoentes da filosofia brasileira persistirem em sua mediocridade intelectual, jamais haverá exemplos sólidos a serem seguidos por profissionais do ensino de filosofia. Portanto, mudanças precisam ser feitas em todas as direções, do básico ao avançado, da criança ao pesquisador, da escola à família. No momento, nosso país está intelectualmente podre. E todos somos culpados por essa podridão. Sejamos flexíveis o bastante para reconhecer nossa responsabilidade. E sejamos incisivos o bastante para agirmos o mais rapidamente possível.

Para uma rica e abrangente discussão sobre filosofia para crianças, recomendo este excelente link na Enciclopédia de Filosofia de Stanford.

22 comentários:

  1. Enquanto lia o texto, me lembrei das tirinhas da Mafalda, personagem do cartunista Quino.

    Sebastião

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitíssimo bem lembrado, Sebastião. Desde os anos 1960 Mafalda vem despertando atenção de muita gente, incluindo Umberto Eco. No entanto, só enxergávamos o humor. É a velha história: precisamos abrir um pouco mais nossas mentes.

      Excluir
    2. Vez ou outra busco por revistinhas da Mafalda, mas só encontro nas revistarias aquelas da Mônica, Magali, Cascão, Cebolinha e Chico Bento. Alguém sabe se existe revistinhas da Mafalda tal como acontece com personagens do Maurício de Souza, ou só devo procurar em jornais e alguns poucos textos????

      Excluir
    3. ERRATA: "[...] existem revistinhas [...]"

      Excluir
    4. Leandro Martins, em Português tem esse site:

      https://www.facebook.com/TiriinhasDaMafalda

      Excluir
    5. Eduardo Silva, obrigado pela dica.

      =)

      Excluir
    6. Desculpe a demora, Leandro, só agora vi seu comentário.
      Se não me engano, a Mafalda nunca foi publicada em gibis, somente através de tirinhas em jornais.
      Essas tirinhas foram reunidas num livro intitulado "Toda Mafalda"

      http://www.submarino.com.br/produto/112646754/livro-toda-mafalda?opn=XMLGOOGLE&epar=&WT.srch=1&epar=bp_pl_00_go_G22006

      Sebastião

      Excluir
  2. Professor Adonai,

    Indico esse periódico: http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php/childhood
    Sua postagem é muito interessante e para mim o tema é particularmente um desafio pessoal. Leciono Educação Física na educação básica, cuja representação social e até mesmo dos próprios professores é de uma disciplina de caráter eminentemente prático.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Clayton

      Excelente recomendação! Pena que esqueci de mencionar Childhood & Philosophy na postagem. Este periódico é uma clara demonstração de que o tema da filosofia entre crianças está apenas começando. Aliás, até onde me lembro, você é o primeiro professor de educação física a se manifestar por aqui. Se achar que tem condições de escrever uma postagem para este blog sobre educação física no ensino básico, os leitores e eu ficaríamos muito gratos pela sua colaboração.

      Excluir
    2. Fico realmente agradecido com o convite, assim que possível escreverei a respeito.

      Excluir
    3. Ótimo! Fico aguardando. Meu email é adonai@ufpr.br.

      Excluir
  3. Adonai, uma senhora mandou este artigo pro Olavo de Carvalho e ele gostou bastante:
    https://www.facebook.com/carlinha.carlotacarlissima/posts/823626601017570

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Grato pela indicação. Acabo de ver o comentário de Olavo de Carvalho. Ele foi bastante cuidadoso.Tentarei acompanhar eventuais ramificações. Mesmo assim eu agradeceria se você pudesse nos manter a par das novidades.

      Excluir
    2. No dia de ontem, o Olavo escreveu um artigo sobre esse assunto. Segue:
      http://www.dcomercio.com.br/categoria/opiniao/a_ave_e_o_ovo

      Excluir
    3. Anônimo

      Acabo de ler. Uma pena. Carvalho não compreendeu a proposta. Ele não está deixando um patrimônio dos melhores.

      Excluir
  4. Caro Adonai,
    tenho alguma experiência com filosofia no ensino fundamental e médio. Aliás, pouco agradável, particularmente quando comecei a estimular por em dúvida as aulas de alguns colegas. Cheguei a ser ameaçado a alguns anos atrás por um professor de português que me disse não deveria me meter na disciplina dele. Parece que nossa "tradição filosófica" é muito mais filha de uma escolástica tardia dos países ibéricos do que da crítica (típica do racionalismo e empirismo) que assolou a França e a Inglaterra na modernidade. Nossos professores de filosofia, mesmo na graduação, não estão preparados para filosofar. Insisto todos os anos com meus alunos da graduação que não façam monografias de pura exegese, mas só sai isso. Nunca sou procurado para orientação de conclusão de curso em filosofia!
    Um abraço,
    Gilson.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gilson

      Não tenha dúvida de que entendo muito bem o que diz. Mas são pessoas como você (se persistirem) que acabam fazendo a diferença, mesmo que nem sempre essa diferença seja perceptível de seu ponto de vista. Se tiver interesse, eu gostaria de veicular neste blog algo que relate a sua experiência pessoal com filosofia nos ensinos fundamental e médio.

      Excluir
  5. O ensino de Filosofia no Brasil se resume à história da Filosofia. Resultado: docentes papagaiando Sócrates, Platão, Aristóteles, Descartes, Kant etc. (só faltando acender vela), mesmo que seja em curso de Ética de ensino técnico (deus meu)! Quando verei um “filósofo” brasileiro falando sobre bioética, direitos autorais na área da tecnologia da informação ou cyberbullying? Quando um “sociólogo” brasileiro irá além de Marx, Durkheim e Weber? Quando um “pedagogo” brasileiro pesquisará empiricamente antes de se ajoelhar diante de Piaget? Dogmas, dogmas, dogmas... Sempre achei a escola e a universidade iguaizinhas a igrejas.

    Parece que a única coisa que se ensina em Ciências Sociais é História: storytellers fazem mais sucesso aqui do que matemáticos.

    Algo que penso ser fundamental é: alterar primeiro as grades dos cursos de licenciatura do país, antes de o Mec colocar suas mãos infames (mais uma vez) sobre o currículo do ensino fundamental e médio.

    ResponderExcluir
  6. Olá professor.
    Seu texto veio em boa hora, eu sou formada em Filosofia e estou atualmente, estudando Pedagogia e me interesso muito por este tema que envolve filosofia e crianças. Eu sou professora em uma turminha de crianças de 3 anos, na rede Municipal, e já percebo a curiosidade, as questões fluindo e é muito prazeroso. Infelizmente ainda há muito o que mudar na realidade das salas de aula e muitas vezes não temos liberdade para conduzir algo maior. Temos que cumprir muitas regras e claro o currículo/planejamento que nos mandam.
    Eu comprei recentemente os livros "A filosofia vai à escola" do Lipman e "A filosofia vai à escola?" do Renê José Silveira, foram recomendações de um professor, pois, queria me aprofundar mais no assunto, estou terminando de ler o primeiro.
    Se puder, gostaria de que me enviasse mais algum material sobre filosofia para crianças ou que batêssemos um papo sobre o assunto, meu e-mail é alynerubio@hotmail.com
    Obrigada pela atenção até aqui e mais uma vez, parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alyne

      Enviarei email para você em breve. Grato pelo apoio e interesse.

      Excluir
  7. Caro Professor

    Uma experiência interessantíssima sobre uma proposta similar que fora realizada na França é exibida no documentário "Ce n’est qu’un début" encontrado facilmente na rede (Até mesmo com legendas).

    Lucas Santos

    ResponderExcluir

Respostas a comentários dirigidos ao Administrador demoram usualmente até três dias.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.